Oficina de História e Filosofia Contemporânea IHC/ Workiteph #3

Data: 
Fri, 12/10/2018 - 18:00
Local: 
Tigre de Papel - Rua de Arroios, 25 - Lisboa

"O Trabalhador, o Militante e o Monstro: Visualizar Subjectividades Revolucionárias na Itália dos Anos 60 e 70"

por JACOPO GALIMBERTI
com moderação de ROSA BAPTISTA

Ao longo dos últimos vinte anos, e em particular desde a publicação de Império de António Negri e Michael Hardt em 2000, que o radicalismo dos militantes italianos nas décadas de 1960 e 1970 tem sido a ser reavaliado por artistas, activistas e académicos. Não obstante, pouco tem sido escrito sobre a produção dos artistas para quem o operaísmo e a autonomia constituía uma inspiradora caixa de ferramentas, repositório de imagens, temas e tópicos.
Encontrando-se presentemente a escrever um livro – título provisório The Workers’ Point of View: Operaismo, Autonomia and the Arts (1961-1988) – em torno do trabalho e das vidas de artistas, arquitectos e designers que se apropriaram de ideias do operaísmo e da autonomia, Jacopo Galimberti partilhará nesta apresentação algumas ideias-chave da sua pesquisa. Em particular, focar-se-á na visualização das novas subjectividades que emergiram nos Anos 1960 e 1970, pois uma preocupação partilhada pelos artistas inspirados pelo operaísmo consistia na criação de imagens que espelhassem a cultura material das lutas e o “ponto de vista dos trabalhadores”. A sua análise dividir-se-á em três partes: em primeiro lugar examinará os desenhos que apareceram na classe operaia, muito possivelmente a primeira revista operaísta, onde a iconografia do trabalhador contrastava vivamente com a esboçada até então pelos principais partidos de esquerda. Em segundo lugar concentrar-se-á na instalação Centro di Conspirazione Ecletica dos Archizoom que é, na realidade, um cenotáfio para Malcom X, engajado com a figura do líder político e a contracultura da classe trabalhadora norte americana. Em terceiro e último lugar, focar-se-ão os desenhos de Pablo Echaurren publicados na revista Lotta Contínua m 1977. Esboçados no final de quinze anos de lutas, a sua teratologia revela como novas ideias de subjectividade e agencialidade eram então refractadas sob o prisma da arte militante.

Mais informações: https://oficinafilosofiacontemporanea.hotglue.me/

BIO
Jacopo Galimberti é investigador de pós doutoramento na Universidade de Manchester com uma bolsa da British Academy. A sua investigação tem incidido sobre a arte do pós II Grande Guerra na Europa Ocidental. Encontra-se presentemente a escrever um livro sobre operaísmo, autonomia e artes visuais. Tem publicado em revistas como Art History, The Oxford Art Journal e Grey Room. É autor de Individuals against Individualism. Western European Art Collectives (1956-1969) pela Liverpool University Press.

Imagem: Gilles Aillaud, Eduardo Arroyo and Antonio Recalcati, pintura da série Une passion dans le désert, 1964–65, óleo sobre tela, 130 x 162 cm, paradeiro desconhecido

Curadoria:
Ana Bigotte Vieira

Organização:
Instituto de História Contemporânea, FCSH- UNL
WORKITEPH

Apoio:
CML/DMC,
Fundação Calouste Gulbenkian – Programa Língua e Cultura Contemporânea

evento: https://www.facebook.com/events/434060647119656/